quarta-feira, 31 de março de 2010

Golpe de 64

Correria, correria
A voz do pânico
Taquicardia..

Esse som do Korzus da dizendo muito de mim agora,heheheh

Marília está bem corrido, a moradia da Unesp está se tornando casa mesmo, e infelizmente ainda tenho que usar a senha de outras pessoas pra ficar na internet.
O dia a dia de um jornal diário de grande porte é extremamente corrido.
Hoje eu descobri uma coisa meio nojenta do jornal.
Para quem não sabe, hoje faz 46 anos do Golpe de 64. E se não sabe o que foi o golpe de 64 vá estudar, já passou da hora.
Enfim, estava lendo algumas manchetes do Diário de Marília. Percebi um jornal de extrema direita, e que apoiava o golpe.
Enfim,passado é passado, mas tentarei ver alguma reprodução de matérias para passar depois a integra delas para provar o que estou falando.

Não esqueçam gente, churrasco na sexta-feira em!!!

terça-feira, 30 de março de 2010

Moradia, Marília, enfim, causos do dia a dia

Caramba...que dia corrido hoje no jornal.

Enfim, semana de páscoa e no domingo a cidade fará 81 anos de emancipação. Já viu, caderno especial no domingo, que já estamos produzindo.

Hoje vi uma puta diferença que tem entre Marília e SP.
Aqui, além de termos duas horas de almoço, o trânsito na mesma hora é nulo pela cidade.

No momento estou conhecendo o pessoal da casa em que moro. Tudo gente engraçada, bem legal.
No momento a galera ta ouvindo Raimundos, antigão, e fazendo rango. Duas pessoas que não me lembro o nome estão conversando e um falando merda pro outro...parece ser um lugar bem engraçado.
O clima daqui é de casa mesmo. Muita gente fala da moradia,mas acho que somente a casa 11 é a podrona. Afinal, eles jogam lá a galera tosca, podre...e por falar nisso, lembrei de uma coisa,depois eu conto!!!

segunda-feira, 29 de março de 2010

Eu vou ficaaaaaaaaaaaaaaaarrrrrrrrr

Hoje voltando para casa vi uma cena no mínimo cômica.
Não sei ao certo se eram três ou mais bêbados que estavam deitados, em uma obra abandonada, escura. Os três estavam tentando cantar “Maluco Beleza” do Raul Seixas. Era incrível.
Estavam todos querendo cantar, um mais alto que o outro. Quem passava na rua também ria demais. Eles cantavam...felizes. Muito legal essa coisa de que a felicidade está onde estamos, não importa a situação, o momento ou o que devemos passar. Sempre existe um lado bom, para tudo.

Estava hoje eu, escrevendo minhas matérias quando me dei conta que estou sem colchão. Hoje terei que dormir em um colchonete terrível, mas só por hoje.
Amanha pegarei um colchão.

Será que vai dar certo?
Estou combinando de me encontrar em MG, ou quem sabe em SP com uma amiga...será que desta vez vai?

Jardim Cavalari

Esse é o nome do bairro em que eu moro.

Não tem gente mal educada como no campus, que liga o som no talo sem se importar com quem está dormindo. Lá não tem lixo no chão e tem algo que me animou muito a ficar no bairro.
Estava indo ao teatro no domingo, quando vi seis crianças brincando na rua. Colocaram quatro tijolos para fazer o gol, uma bola velha, descalços e...felizes. Muito legal isso, crianças brincando na rua, descalços e felizes.
Lembrei-me de minha infância, na rua Antonio Clemente, em que, mesmo sendo São Paulo, brincava muito na rua. Claro, o maior motivo era a rua ser sem saída. Mas fui uma criança que brincava na rua, machucado, como todo moleque deve ser.

Andando mais um pouco, vi uns quatro ou cinco jogando pião. Uma pena que nunca consegui brincar disso, mas acho bem interessante. Novamente veio uma memória em minha cabeça.
A primeira vez que estive em Bandeira do Sul, cidade ao sul de MG, sai para tirar fotos. Lá vi umas crianças jogando pião, e uns senhores jogando dominó na praça da cidade. Em uma cidade de cinco mil moradores, isso é absolutamente normal, tanto é que quando mostrei essas fotos, riram de mim.
Alias, é sempre comum as pessoas rirem de mim. Sou motivo de risada por gostar d e música infantil, de Roupa Nova, não gostar de coca-cola, detestar Legião Urbana...


Todos gostam de ver defeitos ou rir de algo, mas que minha cultura sobre esse Brasil está enriquecendo, risada nenhuma tirará isso!

sábado, 27 de março de 2010

Vida nova, de novo

Calma. Não é para ficar assustado caro leitor(se é que alguém além de meus pais e a Day leem o QP). Não estou mudando de cidade novamente.
Mas novamente minha vida virou 180º. A melhor coisa for ter tido aquela briga infantil no apto. Afinal de contas, se não fosse por isso, não teria conhecido “X” e não teria trocado de trabalho...

Sim, troquei de trabalho. Doeu o coração deixar a redação do Correio Mariliense. Uma redação onde aprendi demais, onde meu editor foi de uma ajuda excepcional em um momento na vida que nem onde morar eu tive.
Mas o mundo dá voltas.
Não digo que estou em um lugar melhor, mas a estrutura de onde estou é maior, o salário é maior. Mas não tem o clima descontraído do Correio, que todos ali pareciam ser amigos de infância. Até as estagiárias (só mulher bonita. Muriyama esperto...) pareciam ser amigas de anos...Mas o mundo dá voltas.

Mais interpretações

O que custa às pessoas aprenderem a ler e interpretar?
Mais uma vez coisas escritas, desta vez para fazer uma brincadeira comigo, atingiu pessoas que se doeram,achando que o recado era pra elas...O pior, novamente são pessoas que estão na faculdade, que o mínimo que se espera é que saiba ler e interpretar um texto...lamentável, mas isso é o quer vejo aqui em Marília.
Percebi que pra entrar em uma faculdade de Marília, mesmo a Unesp, não precisa ter um Q.I. maior do que uma ostra. E olha que eu digo uma ostra saudável ok?

A sim, teve outra confusão por conta de orkut. Só pra avisar. O orkut ja causou muita briga, principalmente por causa de namoradas. Então se alguém ainda acha que ligo pra essa merda, palmas...de pé

Correio Mariliense

Sentirei muita falta do clima dessa redação. Aprendi demais o pouco tempo que fiquei, mas o melhor foi que ganhei bons amigos.

sexta-feira, 26 de março de 2010

quinta-feira, 25 de março de 2010

Assassinatos

O assunto mais falado essa semana é o julgamento do casal Alexandre Nardoni e Anna Carolina Jatobá.
Ambos estão sendo acusados de jogar da janela a filha de Alexandre de cinco anos.
Se eles são culpados ou não, o júri vai decidir... Mas muita gente está esquecendo de um julgamento muito importante.


Luiz Carlos Barbon Filho foi morto a tiros aos 37 anos, no dia 06 de maio de 2007, em frente a um bar em Porto Ferreira, interior de São Paulo. De acordo com a polícia, dois homens chegaram em uma moto e atiraram no jornalista.
Segundo o Ministério Público Estadual, o assassinato foi uma represália a denúncias do jornalista sobre o aliciamento de menores em orgias sexuais. O caso envolvia policiais, empresários, políticos e comerciantes da região.
Quatro policiais militares e um comerciante local estão presos, acusados de matar o jornalista. E por que isso não vira noticia, é uma questão que eu ainda quero saber.

Hoje entrevistei a Deputada Federal Janete Piatá, do PT-SP. Ela é uma grande defensora das mulheres, inclusive uma das que melhoraram a lei Maria da Penha. Ela citou ocaso dos Nardonis e começamos a conversar sobre isso.
Sinceramente, esse crime chocou não por ser uma criança de cinco anos, ou por ser o pai quem é o principal suspeito. O caso chocou, pois é uma família de classe média alta. Igual o caso de Suzane Von Ricthoffen.

Pai que mata filho e filho que mata os pais tem toda semana nas maiores favelas do Brasil. Ai entra o preconceito. Em uma favela, para a sociedade é natural acontecer essas coisas. Mas quando um caso desse acontece numa família de classe mais alta, o choque é maior porque aparentemente tiveram educação melhor, tiveram acesso a uma cultura muito mais ampla do que os chamados “favelados”.
Agora pensemos. O que acontecerá com Alexandre e Anna caso sejam absolvidos é meio obvio de saber. A população ficará em choque e ambos nunca mais poderão sair às ruas.

Mas se os quatro policiais militares e o comerciante sejam considerados inocentes, certamente a vida vi continuar para todos, como se nada tivesse acontecido.

Vou repetir uma frase que coloquei em um post bem antigo...
Esse é o Brasil... O engraçado é que eu ainda acredito que vá par frente e mude esse país.

quarta-feira, 24 de março de 2010

Moradiada Unesp

É estranho e legal onde moro agora.
O campineiro que oi morar no ap onde eu morava e que causou toda a confusão, disse que a moradia da Unesp era horrível, que só tinha gente mal educada...Acho que não é bem por ai.
Realmente a moradia não é nenhuma fortaleza, porém todos ali tentam manter a harmonia da casa. São casas com seis quartos, cada uma com mais ou menos 12 pessoas.
A maioria é de militante, divididos entre socialistas e comunistas.
Acho isso um pouco engraçado até. Não acho errado, mas esse espírito político é algo meio anormal para mim. Só conhecia o Thiagão em SP que era militante ativo do movimento dos estudantes.
Ontem cheguei à moradia por volta das 23h. Finalmente fui para a aula. Encontrei até a japa que rodou MG pela estrada real. Altas histórias.
Agora vamos ver até quando e como ficarei.

A sim, levei um furo excepcional na cidade hoje. Estou faz pouco mais de duas semanas fazendo uma matéria, mas o Diário de Marília passou na frente...por enquanto!

terça-feira, 23 de março de 2010

Mil

To meio besta com isso.
Meu blog desde que montei nunca havia recebido tanta visita.
Isso quer dizer que estão interessados no que eu falo.
Continuarei esse parâmetro sobe a vida em SP e Marília, essa coisa de convivência e tudo que possa mostrar uma realidade não tão distante assim.
Nunca recebi tantas visitas, nunca produzi tanto no QP.
Obrigado a todos que o leem.

segunda-feira, 22 de março de 2010

Tudo ao mesmo tempo agora

Todos sabem o quanto eu sou movido por urgências e impulsivo ao extremo.
Não tenho culpa de querer cair de cabeça na vida, sem medo de arriscar e sem medo do que possa acontecer. Não falo que isso seja certo, muito pelo contrário, corro muito risco e meu emocional oscila demais. Obviamente isso reflete em minha saúde.

Um novo caminho a ser seguido. Tenho algumas propostas na cabeça pra decidir, e ainda não sei de nada.
A única coisa que sei é que novamente tenho um teto.
Estou na moradia da Unesp.
Parece ser bacana. Claro, são culturas totalmente diferentes, mas acredito que possa dar certo.

domingo, 21 de março de 2010

Cantiga de Roda

O Dayanne entrar na roda
E tire o seu
Par pra dançar

O Dayanne entrar na roda
E tire o seu
Par pra dançar

E agora, roda ela
Ela é roxa
Ela é flor de canela

Essa letra ai de cima você pode trocar o nome que for. Coloquei DAyanne porque lembrei dela ontem.
Ontem teve o Sarau la na ELAM, onde faço teatro. Veio um grupo que fazia interação apenas com cantigas de roda. Era demais da conta.
Um absurdo, fiquei abismado. Lindas canções, e essa me marcou muito.

Ontem depois do Sarau, todos nós do teatro fomos até uma pizzaria. Nunca tinha comido pizza de alface, muito boa.
Depois conheci um pessoal bem bacana e o Bruno,do teatro, deixou eu ficar na casa dele.
Não esperava isso. To quase jogando a toalha. Sem um teto pra ficar, tendo de ficar de favor na casa de outras pessoas. Me sinto péssimo com isso.
Sério, to quase jogando a toalha...

sexta-feira, 19 de março de 2010

População mediocre


Acho estranha a falta de respeito para com o cidadão em Marília.
Segundo a lei estadual de obras e engenharias, no terceiro parágrafo consta que em obras de vias-públicas para pedestres, o local deverá ter 1/4 de espaço para a segurança.
Ou seja, em palavras mais fáceis, a calçada deverá ter metade da metade livre para o trânsito de pedestres.
A foto mostra o quanto esse senhor da mecânica não cumpriu nada. O pior, a população medíocre não faz nada para que isso seja mudado. Na foto que tirei ontem, a menina fica praticamente na rua para conseguir subir no ônibus.

Interpretações

Acho estranho o lance de interpretação de textos.
Bombardearam-me essa semana por causa dos textos que faço sobre a ROTINA de Marília. Teve gente que se doeu quando uma amiga minha comentou que queria ter independência igual aminha amiga de SP.
Chegou ao ponto de pedir para que retirasse certos assuntos do blog.
Sinceramente, desculpe-me, mas o Quarto Poder nasceu para ter a LIBERDADE DE EXPRESSÃO, justamente alando sobre meu cotidiano de Marília.
Em posts mais antigos, eu falei sobre José Sarney, José Serra, taquei o pau no presidente Lula e até agora ninguém falou nada.
Ok, eu até tiro os textos com certos nomes, porém farei isso apenas com uma petição judicial. Comigo funcionará assim. Meu compromisso nesse blog é me aproximar com amigos, conhecer novos amigos e exprimir minha visão sobre o cotidiano. Se esse blog ofender alguém, entre na justiça.
Caso alguém mais se ofender me avise, que eu posso fazer um desenho para entender melhor os textos.

quarta-feira, 17 de março de 2010

Blecaute


Não fico aflito por saber que nada sei. O que é? De que? De onde veio? São perguntas cujas respostas não me interessam. O tempo não precisa ser medido; essa frase tem ficado muito tempo na minha cabeça.
Não existe diferença entre verdade e mentira, nem a possibilidade de encontrar o bem e o mal. Não sei porque catso comecei a pensar nisso.
Há muito tempo não dou uma risada. Nem choro. As palavras não significam nada. Meu corpo se curvou para frente, desiludido. Não consigo entender o sentido da minha vida. E isso não me comove mais.
Os homens fizeram a sua própria história, mas não imaginavam onde iriam desembocar. No principio, o céu e a terra eram fenômenos divinos, e só. Em seguida, a Razão, a Ciência encontraram teorias que os definissem. A luta da humanidade era explicar o inexplicável.
Hoje... meu corpo se curvou para frente, desiludido. DANE-SE! Lembro-me de uma música que falava “Tudo, tudo, tudo vai dar certo...” e acho engraçado. Nada deu certo. Já me falaram de uma nova era. Já me falaram do universo em expansão. Mas nada deu certo. Nada.

Casos de interpretação

Tudo em nossas vidas é questão de ponto de vista.
Tem gente que vê. Tem gente que não vê. Tem gente que acha que vê e tem aquele que não quer ver.
Nossas palavras, nossas escritas, nossas vidas...Tudo isso depende de interpretação.
Veja esse exemplo, uma conversa de casal.

Ele: - Finalmente!!! Custou tanto esperar por este momento.
Ela: - Você quer que eu vá embora?
Ele: - Não! Nem pense nisso.
Ela: - Você me ama?
Ele: - Claro! Muito e muito!
Ela: - Alguma vez você já me traiu?
Ele: - NÃO! Porque? Ainda pergunta?
Ela: - Me beija?
Ele: - Evidente! Sempre que possível!
Ela: - Você seria capaz de me bater?
Ele: - Você está doida? Não sou desse tipo de homem!
Ela: - Posso confiar em você?
Ele: - Sim.
Ela: - Querido!

Conseguiu ver algo estranho nesse papo? Não?
Então leia de baixo para cima.

Legal não é?! Agora dá pra entender que tudo depende de interpretação.

Tem gente que entende apenas o que quer...ou o que acha mais plausível para seu entendimento.

terça-feira, 16 de março de 2010

Fundação Casa

Ontem fiz uma matéria que me surpreendeu bastante.
Fiz uma visita à Fundação Casa de Marília, antiga Febem. Foi bem bacana e estranho ao mesmo tempo. Mas imagens que eu tinha do local era um presídio para menores. Essa é a imagem que sempre foi passada, principalmente nos noticiários.
Estávamos em uma equipe de cinco pessoas. Eu, o fotografo, uma fotógrafa, o repórter de TV e o cinegrafista. Ao chegar, uma revista bem rigorosa em todos nós, deixamos celulares e chaves dentro da sala de segurança e adentramos ao local.
Ao entrar, nos deparamos em um lugar limpo, bem cuidado e seguro. Os 72 internos da instituição estavam estudando. Sim, estudando. Todos ali estudam, na parte da manhã o ensino regular, e de tarde cursos pedagógicos.
Os garotes fazem cursos do Senai, Centro Paula Souza, Sest Senat e um curso de hortifruti. Muito interessante é a educação dos garotos que, mesmo sabendo que são criminosos, alguns até assassinos ou estupradores, a recuperação está vindo.
Bom, para entender mais sobre minha visita, entre no link abaixo e qualquer pergunta estarei pronto para responder.

Fundação Casa

“Educar é semear com sabedoria e colher com paciência”

sábado, 13 de março de 2010

Algumas matérias minhas feitas no Mato Grosso

http://www.odivisor.com.br/index.php?secao=cidade&sub=23&id=11558

http://www.odivisor.com.br/index.php?secao=cidade&sub=23&id=11505

http://www.odivisor.com.br/index.php?secao=cidade&sub=23&id=11481

http://www.odivisor.com.br/index.php?secao=cidade&sub=23&id=11471

Problemas do cotidiano


Marília está em estado de atenção por dois motivos.
Primeiro, o calor está cada vez maior. Temperaturas estão chegando próximo aos 40°, e o sol ta rachando a cuca mesmo.
Como da pra ver na foto, com o calor, vários focos de incêndio aparecem na cidade. Resultado, por ser uma cidade de médio porte, não muito grande, a fumaça tomou conta da cidade. Terrível, fumaça pra tudo quanto é lado.
Mas essa foto, muito bonita por sinal tirada pelo Alexandre do correio Mariliense, mostra como está à realidade disso.

A outra é a greve dos professores estaduais, que atinge todo o estado de SP.
Desinformação por conta da diretoria de ensino, que divulga 1% dos professores parados, e a Apeoesp, que divulga 85%, deixa os alunos sem saber o que fazer.
Nessa sala de aula em um colégio público de Marília, notam-se três séries em uma mesma sala de aula, porque alguns professores não entraram em greve.
São professores da categoria “O”. Não entraram em greve porque eles têm o direito de apenas duas faltas justificadas durante todo o ano letivo. Lamentável esse governo PSDB.

Marília

Acho muito estranho o comportamento de algumas pessoas que convivo e vejo na cidade. Principalmente porque são pessoas que não trabalham, não querem trabalhar e ainda é papai e mamãe quem os bancam.
Passam o dia e a noite toda tomando cerveja, comendo seus cigarros, geralmente dois maços por dia, dizendo-se independentes e que são vividos apenas por ter uma idade avançada.
Acho muito engraçado. Lembro em SP de uma garota que conheci que dizia que saiu de casa porque queria ter a própria independência, que queria ser livre. Era só perguntar quem pagava o aluguel dela. Ela simplesmente recebia uma mesada de dois mil reais do pai. Incrível a independência né?!
Acho que as pessoas da Unesp, Unimar, Famema entre outras daqui de Marília ainda precisam evoluir muito, porque não é apenas a idade que determina o que uma pessoa é.

quarta-feira, 10 de março de 2010

007

Ontem tive que dar uma de 007 para conseguir entrar em casa.
Estava comendo quando o pessoal que mora comigo começou a assistir Alien X Predador. Como não achei esse filme nada demais, comi, arrumei minhas roupas no quarto e desci para conversar com o Fred, namorado da vizinha de baixo.
Quando voltei, a porta estava fechada. Tocava e nada. Batia na porta e nada. Foi quando eu vi a janela da cozinha aberta. Calculei, vi a altura onde poderia me segurar, afinal, eu moro no segundo andar.
Subi na mureta do hall do prédio e me agarrei na janela da cozinha. Dali, foi apenas apoiar o pé e entrar. Logo que entrei me deparei com o ventilador ligado, mas ninguém em casa.
Ainda bem que fui pela janela, senão teria ficado pra fora.

Tenho trabalhado demais, mais de 12hs até, e acho isso muito bom.

Ontem eu li uma coisa que me fez pensar...e muito
“Nós somos o nosso passado e fazemos do presente o nosso futuro”
EnnayadSol

segunda-feira, 8 de março de 2010

2222

Final de semana corrido.
Primeiro sábado foi corrido. Edição de domingo é trabalhosa de fazer. Muita coisa mesmo.
Tivemos uma reunião e eu mudei de Editoria. Um cara não estava gostado d fazer polícia, ai eu fui no lugar dele. Agora ele faz CIDADES e eu POLÍCIA. Vamos ver até onde isso vai.

Uma amiga minha veio de Maringá fazer um concurso público. Por desencontros, ela não anotou meu telefone e nem eu tinha o dela. E não é que consegui econtra-la sem querer?
Eu estava indo ao teatro, quando eu vi uma japa no ponto de ônibus. “Será que é a Márcia?” Pensei comigo.
Fui falar com ela.
- Desculpe-me, você se chama Márcia?
- Sim
- Você é de Maringá?
- Sim...PEEEEEEEEEEEEEEEEDROOOOOOOOOOOOOOOOO

Coincidência absurda.

Como estávamos no ponto de ônibus lotado, caminhamos até um outro que havia mais opções. De lá até o centro. Do centro até a rodoviária. Só que...não tinha mais bus pra ela, só as 20hs. Maravilha.Legal conhecer mais a pessoa. Melhor ainda ser uma jornalista. Mais melhor de bom de legal é ser japa!!! hehehehehhe

sábado, 6 de março de 2010

Problemas de uma cidade em crescimento


Marília está com dois problemas sérios.
Primeiro, é um problema crônico no Brasil. Educação. Os professores da rede estadual fizeram uma paralisação e uma assembleia lááááááááááá na capital do estado(foto), com cerca de dez mil pessoas para reivindicar um aumento salarial, o que não ocorre faz quatro anos. Ou seja, toda gestão José Serra (PSDB) no governo, os professores só se f***.
Abaixo você encontra o cartaz do protesto.



Outro problema sério de Marília é o abandono dos cães na rua. Alem de doenças, o que mais deixa a cidade feia é a situação dos cães. Encontraram um Pastor Alemão e um Labrador abandonados na rua. Levantando dados, Marília tem mais de 2.500 cães abandonados. Fora os cães que já nascem e vivem nas ruas.

O jornal tá corrido, e tenho ideias para apresentar ao editor. Vambora!!!

sexta-feira, 5 de março de 2010

Churras

Em Marília os churrascos são frequentes, afinal, temos que passar o tempo de aguma forma né!

quinta-feira, 4 de março de 2010

Dias melhores virão!!!

Pois é, uma boa novidade agora.
Consegui a vaga de repórter do Correio Mariliense, um jornal de médio porte, porém com um ótimo ambiente e pessoas divertidas de trabalhar.
Estou no jornal desde ontem. O Editor gostou do meu felling de escrita. Ontem ele me passou um teste de três pautas para serem entregues até às 18hs(deadline).
Chegada às 18hs, eu havia feito cinco matérias. O outro cara que fez o teste entregou uma e teve que ser refeita.
Bom pra mim!
Hoje o dia foi bem bacana, mas corrido ao extremo. Acabei fazendo apenas duas matérias hoje, porém duas grandes. Uma foi abertura de página, do caderno de cidades.
To empolgado, porém ainda não sei como farei pra pagar meu aluguel esse mês, já que recebo apenas no próximo mês.
Jornal diário é o que há!!!
Mas ainda tenho muito o que aprender. Aquiserá uma escola e,pelo visto, um local de crescimento continuo, em equipe.

A sim, ontem eu vi o quanto é bom à tecnologia. Conversei com minha amiga de Tocantins. Demais, engraçada e poderia ficar horas conversando com ela.
Claro, jornalista se da bem com jornalista né!

Tenso

Dias tensos, correria e ótimas novidades, mas agora não dá pra contar!
É mais pra não deixar o QP parado mesmo.

Té mais

terça-feira, 2 de março de 2010

O segundo sinal

Ele vinha com a mente a mil
Tentando se convencer que aquilo era bom pra ele.
Mas não, nada é perfeito para um dia nublado.
Ele caminhou, caminhou, caminhou... Até que se sentiu cansado
Então resolveu sentar pra ver um pouco da paisagem.
Sentado, refletiu sobre suas conquistas, suas falhas(que foram muitas) e suas metas.
Metas as quais ele tem desde uns 19 anos de idade.
As metas mudam,as coisas mudam,mas um sinal...

De repente uma folha cai ao lado de seu pé esquerdo.
Ele abaixa pra pega-la quando avista seis formigas indo para a folha.
Resolveu deixa-la ali,pra poder observar as folhas.
As formigas em poucos segundos já estavam cortando a folha.
Um trabalho em equipe muito legal.

Voltou para sua casa.
E as formigas não saiam de sua cabeça.
Foi quando deu um estalo.
É isso ,as formigas

Continua...

segunda-feira, 1 de março de 2010

R.I.P. Música Brasileira

Músicas, músicas, músicas...

Acho legal a diversidade no Brasil em relação a isso, porém quanto menos a cidade, mais igual fica.
Aqui em Marília vejo que é igual a Diamantino, no Mato Grosso e Bandeira do Sul, em Minas Gerais. Não, não falo do fato de serem caipiras, falo do fato de todos ouvirem a mesma música. O mesmo Sertanejo Universitário, as mesmas duplas, os mesmos moleques que passam com o som do carro estourando, achando que estão abalando as estruturas.

Na década de 60, a Jovem Guarda veio substituir a Velha Guarda, que já estava velha né... Depois veio a Bossa Nova, que substituiu a Bossa Velha. A diferença entre as Bossas era que a velha usava uma harpas e um sofá de três lugares. A Nova usava um banquinho e um violão, e tinha a Helô Pinheiro.

Já na década de 70 veio a tropicália substituir o rock nacional, em 80 o rock nacional ficou podre com bandinhas de meninos mimados de Brasília, pra substituir o rock que eles chamam de velho. Em 90 veio o axé music, pra substituir o bom senso.

O que chamamos de Rock Nacional ,hoje, não passa de produtos de rádio. Salvo algumas bandas que ainda vivem no underground, temos Pitty(uau!) como uma das maiores cantoras do Rock nacional. Perdoem-me amigos, mas depois de Legião Urbana, Capital Inicial e Ira!, a Pitty consegue ser a quarta coisa mais nojenta que se tem derivado do Rock no Brasil.
Sei que o comentário das bandas de Brasília vão ofender ou deixar um desconforto no ar, mas vamos comparar as bandas dos anos 70, como Mutantes, Secos & Molhados, Sagrado Coração da Terra, Harppia entre outras... Ai veremos o quanto o Rock Nacional ficou pobre de 80 pra cá

A MPB anda mal das pernas também. Onde antes víamos Ney Matogrosso, Milton Nascimento e Djavan lançando álbuns memoráveis, épicos, hoje lançam coletâneas. Será que a criatividade acabou? Ou a mídia tem culpa de colocar Mallu Magalhães no patamar de MPB, sendo que ela ainda usa fraldas?

Já o samba... sempre tem alguém na contra-mão. O samba evolui gradativamente. Hoje, ótimos sambistas aparecem, lançam discos ótimos, como o último lançamento de Dudu Nobre, ou então qualquer álbum do Martinho da Vila. Os caras parecem não parar no tempo, cada álbum lançado é uma replica do anterior, com inovações e masterialização de primeiro mundo. Marcelo D2 também, aventurado no samba, caiu no gosto da galera e hoje é considerado um dos artistas recentes de maior destaque no gênero.

Samba, rock, mpb, jovem guarda, bossa nova... independente do gosto, a música brasileira precisa de uma reciclagem absurda, ou então ficaremos a deriva com o que a mídia quer que ouçamos. Seja Mallu Magalhães, Pitty ou Otto!!!

Vingança

Final de semana cheio...

No sábado demos uma ripa lá em casa. À noite, fui pra casa do Gustavo, churrasco, bebemorações...Essas coisas de gente normal.

Domingo acordei um pouco de ressaca. Mas tive que ficar bem. Fui pro ELAM, pra fazer o teste no grupo de teatro. E não é que eu me dei bem. Agora serei um ator(mentado) em Marília. Mas o melhor foi de noite.

Cheguei em casa, comi e o Fred e a Laud, vizinhos do ap de baixo, chamaram pra tomar um vinho. Bom, vamos lá, não gosto de vinho, mas a cia ajuda né. Fizemos uma bagunça no ap 24, da Michele.
Quem acompanha o QP sabe que tem dias que a noite é longa, afinal o som que a galera coloca alto não deixa ninguém dormir. Ontem foi a nossa vingança, pois o cara que mora no ap debaixo do da Michele era um dos responsáveis pelo som alto. Descobrimos que ele havia ido dormir. No mesmo momento aumentamos o som, botamos um sambão e ficamos todos lá, batendo palmas e os pés no chão, só pra incomodar mesmo. Vingança, doce vingança,hehehehe

Contador Grátis