domingo, 30 de maio de 2010

3ª Mostra de Cinema de Marília


Bom, conforme combinei, falarei um pouco mais da mostra de Marília.

Na sexta-feira os curtas foram fantásticos. Destaque para "Blecaute", do Daniel Rezende. Muito bom, a atuação do Wagner Moura e do Augusto Madeira foram detonadoras. A história se passa no congresso nacional. Dois deputados sobem a um local para fumar maconha, a conversa toma rumos e várias falcatruas são reveladas.
"Silêncios e Sombras", uma animação do Murilo Hauser me remeteu aos meus pesadelos frequentes que tive na infância. Foi bem estranho,mas muito bom também.

Depois dos curtas(foram quatro,mas apenas falei aqui dos destaques) veio o filme "Se Nada Mais Der Certo". Muito legal, mas tive que sair na metade por motivo de força, vontade e necessidade maior.

Ontem eu vi apenas os curtas. Um aqui merece destaque. "Cães", de Aldler Paz e Moacir Gramacho. Sério, um curta muito maluco, Sid Barret total. P/B de extrema qualidade, fotografia fantástica e enredo matador. Sério gente, quem puder ver esse curta, vale a pena demais.

Outro curta bacn, porém nada demais, é "Homem-Bomba", de Tarcisio Laura Puiati. Dois meninos em uma favela no Rio conversando sobre ser homens-bomba. O problema é que está ficando massante essas histórias de favelas no Brasil, filmes e docs que sempre tratam disso... Sei lá, parece que a fórmula deu certo uma vez e todos copiam. Gostei bastante do final, lembrou o livro "Blecaute", do Marcelo Rubens Paiva.

Hoje é o último dia da mostra, e de noite escrevo as novidades maiores.

sexta-feira, 28 de maio de 2010

3ª Mostra de Cinema de Marília

Não sei andar sozinho
Por essas ruas, sem o perigo
Que me rodeia
Pelos caminhos
Não há sinal de paz, mas tudo me acalma
No seu olhar

Não quero ter mais sangue
morto na veia
Quero abrigo
Do seu abraço
Que me enceideia
Não há sinal de sol
Mas tudo me acalma
No seu olhar...

Ontem descobri que esse som é, na verdade , um tango.

Como assim...Explicarei.

Começou ontem aqui em Marília a 3ª mostra de cinema. Muito interessantea ideia, mas o filme que eu vi era chatinho. "É proíbido Fumar", um tanto monótono. Porém, como sempre, a cia é o que vale né...
Depois fui até o bar chamado "Cão Perêre", para ver a banda Jazzbuticaba, que faz um Jazz instrumental magnifico. O legal era a formação. Um batera,um baixista, um tecladista e um brother no acordeão. Maravilhoso. chegou um hora que tocaram esse som. Apenas eu e uma mina(que não lembrarei o nome da fulana agora) cantávamos esse som. Fui lá falar com ela. Também fã de Eng. e do H.G.. Muito legal.
A sim,ecnotrar a Lídia no rolê também valeu demais. Ela e a irmã, figuraças...

Hoje ainda tem mais mostra de cinema de Marília. Depois conto como foi.

quinta-feira, 27 de maio de 2010

Não sei exatamente em que pensar no momento.
Não sei o que eu quero, mas ao menos sei o que eu não quero.
E a cada dia que passa a confusão se instala.

"...pra guardar as cidades, que ficaram lá pra trás"

terça-feira, 25 de maio de 2010

A prosa do dia a dia

- Você nunca viu uma onça, cumpadi?
- Nunca não. Quando saia pra caçar eu via mais macaco, ai não dava graça.
- Nossa, noutrépucas eu saia com meu pai e ia caçar. Uma vez demos de cara com uma onça
- E ai, o que aconteceu?
- Meu pai mandou eu atirar pra cima, ele também atirou e a onça fugiu de medo
- E por que num matarô ela?
- Caus´qui a gente ia caçar pra comer dispois, e onça num si comi.

Engraçado, parece um texto fictício, mas eu ouvi essa conversa na semana passada em um bar, voltando do jornal.
Começou a chover e eu pra escapar da chuva entrei em um boteco. Nisso, ouvi esse papo de dois senhores, daqueles que deveriam frequentar esse boteco pra mais de 20 anos. Clientes que o dono, que se preocupava mais em secar seus copos e pratos, conhecia tudo. Sabia das famílias, das esposas, namoradas, amantes, mãe, pai, sobrinhos, com ou sem limão, com gelo?
As caçadas aqui na região eram frequentes. Eu vi, faz umas duas semanas, fotos antigas de Marília. Para ter uma ideia, antigas que eu digo são, no máximo, 30 anos atrás.
A cidade era um matagal só...por ser alta, a serra tomava conta daqui.
Tudo bem que muita coisa mudou, mas onde eu moro, de carro chega uns 5 minutos do centro, vejo já o final da cidade, e aquela serra ao fundo. Logo depois, o municipio de Avencas. É uma visão muito bonita.
Espero que a cidade nao avançe mais para a serra. Perder essa vista seria terrível.

sábado, 22 de maio de 2010

Cabeça

A cabeça está girando demais.
Algumas decisões serão tomadas, para alegria e felicidade de alguns, mas a infelicidade de outros.
Enfim, todos nós estamos sujeitos a isso.
MAs quero, desta vez, acertar, nem que for 10% de minha atitude.

sexta-feira, 21 de maio de 2010

"Não me dêem fórmulas certas, porque eu não espero acertar sempre.
Não me mostre o que esperam de mim, porque vou seguir meu coração!
Não me façam ser o que não sou, não me convidem a ser igual, porque
sinceramente sou diferente!
Não sei amar pela metade, não sei viver de mentiras, não sei voar com os pés no chão.
Sou sempre eu mesmo, mas com certeza não serei o mesmo pra SEMPRE.
Gosto dos venenos mais lentos, das bebidas mais amargas, das drogas mais poderosas, das ideias mais insanas, dos pensamentos mais complexos, dos sentimentos mais fortes.
Tenho um apetite voraz e os delírios mais loucos.
Voce pode até me empurrar de um penhasco que eu vou dizer.
-E daí?EU ADORO VOAR!"

quinta-feira, 20 de maio de 2010

Luz, palco


O teatro estava praticamente vazio. Só ouviam dois sussurros.
As luzes eram de várias tonalidades, deixando uma vital compreensão no ar...
Os dois corpos se olhavam.
Faziam a dança da respiração, do olhar, do toque.
Os lábios se encontravam em um balé de movimentos...
Universo em expansão
Chamas saiam dos corpos, que se juntavam e se moviem na mesma sintonia
Os olhos mal abriam, e quando abriam, o sorriso vinha a tona. Os corpos se tornavam um só.
Universo em expansão
O palco estava iluminado. A noite era gélida, mas o calor dos corpos transformava a realidade que desejava.
O mundo estava caindo, mas ambos não queria saber de mais nada. O universo expandia.
Estava tudo negro, preto e branca, enquanto os dois eram a forma mais colorida.
Aquele palco, de tantos espetáculos hoje era palco do amor
Tudo regava-se ao infinito.
O tempo não era o importante, era aquele momento.
As luzes contracenavam com a respiração.
Os sussurros de carinho fundiam-se com os gemidos
A plateia eram todos os deuses, do mais puro e glamusoro amor
As bocas colavam
As mãos não paravam de se mover
O Universo expandia, cada vez mais...infinito

terça-feira, 18 de maio de 2010

Sei lá

Dúvidas na cabeça agora.

Vamos ver o que traremos de novidades nos próximos posts.

A sim, bela virada cultural, bem bacana, ótimos shows, mas uma vez por ano não dá para aproveitar tudo.

Virada Fotográfica é demais, deveria ter todo mês, garanto que iria lotar.

Esse final de semana tem virada em Marília.
Aoque tudo indica, a ELAM(inclua-se eu)fará apresentações na virada.
Vamos ver essa aqui como rola.

Música para o momento
Nada será como antes - Clube da Esquina...foda

segunda-feira, 17 de maio de 2010

terça-feira, 11 de maio de 2010

Zig zag zig zag oi oi oi

Ontem sai para bebemorar a última segunda-feira da semana.
Bacana, o Gustavo do jornal , o Paquito (Guilherme), ambos repórteres, e o fotógrafo Paulo Cansini.
O Paulo é um cara histórico na cidade. Ele é o rei dos bordões.
Ele chega à redação e já fala “Harry!”, da um alô a todos que estão na redação e seus devidos apelidos. Os bordões pegaram não só aqui no jornal ,mas em outros também.
“Você não soooofre”, esse é o máximo. Já o outro fala muito de trabalhar em um jornal “O trabalho é fácil, duro é aguentar as piadinhas”.
Pois é, jogar sinuca e conhecer um pouco mais do ambiente que trabalho. E vi que o pessoal gosta de mim e estão torcendo pela minha permanência no jornal. Ficam me dando toques para ficar, pra ter uma moral melhor com os editores...bem bacana.

A sim, recebi uma surpresa ótima no jornal ontem no final da tarde...pena que era fechamento do jornal.

segunda-feira, 10 de maio de 2010

Até que não foi um final de semana ruim não.
Na sexta, mais café do lado, mas um clima um pouco estranho...enfim,coisas do oficio.
No sábado, achei que iria sair mais cedo do trabalho. Acabei saindo perto das 20h. Era para eu ir ao Berlin, mas cancelaram o role e não tive ânimo pra ficar com mais seis pessoas pra ver um cover de AC/DC.

Sim, sim, domingo conheci o cinema de Marília. Fui ver Alice no País das Maravilhas. Doidera demais, pelo menos as partes que assisti do filme...

Eu percebi que quando chove a cidade fica um tédio.

Sábadão tem virada em SP. Finalmente, ver os amigos, a família, doideras, shows (sinto muita falta em Marília)!!!

sexta-feira, 7 de maio de 2010

Futuro distante, diferente

Café na cama, um beijo de bom dia. Foi tudo de bom.
Acordar com algo assim não tem preço.
Tomo meu café, regado com frutas e cereais.
Levanto, escovo meus dentes. Percebo que parte do meu pijama estava furado.
-Mais tarde eu arrumo isso meu amor.
Desci as escadas e vejo meu filho, brincando no chão da sala com um mundarel de carrinhos.
Ando pelo tapete sem fazer barulho, apenas para admirá-lo a brincar. Doce infância. Sem preocupações, sem precisar entender porque às oito se levanta, as 13 almoça e as 21 vai dormir. Doce infância...
Vejo a minha estante. Muitas fotos, mas não consigo vê-las.
Vou para a cozinha. Uma jovem senhora prepara algo que parece ser o almoço, mas não vejo seu rosto.
Ando pelo corredor que sai de frente a porta da sala. Pego meu jornal. De repente, meu cachorro agarra minha pena, certamente querendo brincar. Vejo uma bola em sua boca. Eu a pego e jogo ao longe. Ele vai e volta todo feliz, abanando seu rabo e com a bola na boca.
Jogo novamente a bola quando percebo... Nunca tive cachorro.
Medo.
Lembrei que nunca fui casado. Filhos? Não mesmo, mal tive um relacionamento sério em minha vida. Minha perna começa a ficar tremula. A casa começou a parecer estranha.
-Pêssego? Eu nunca pintaria minha casa desta cor.
As mãos começam a suar. Tudo ao meu redor era estranho.
Vejo um belo carro. Certamente meu, mas nunca tinha o visto antes.
Tomo uma pancada na cabeça.
Ao acordar, ainda um pouco confuso, em meu quarto de sempre, olho para os lados. Cama de solteiro, pôsteres nas paredes, um relógio sem funcionar.
Alívio.
Depois de alguns minutos me dei conta.
Talvez por alguns goles de wisky a mais, me vi em um lugar totalmente diferente.
Me vi em um futuro, que parece bem distante. Ou bem diferente dos meus planos.
Mulher, filhos, uma casa para manter, um carro bom, cozinheira... tudo o que um ser humano normal quer ter em sua vida.
Planos, planos,planos...será que falhei ao faze-los?
Acho que não.
Acredito que o caminho tomado tenha sido outro. Quem sabe, ter escolhido virar a direita e não à esquerda. Ter subido ao invés de descer. Ter amado ao invés de ser amado. Ter planos, ao invés de viver os anos.

quinta-feira, 6 de maio de 2010

10 anos

Hoje teve uma cena muito legal no trabalho.
Uma das repórteres que aqui trabalham completou 10 anos de Diário.
Muito bacana, bolo, refris, salgadinhos...
O mais interessante é o quanto ela da o sangue por esse jornal. Não é que ela deva fazer isso em todos os trabalhos (não a conheço,não posso afirmar nada) mas ela parece amar esse jornal acima de muita coisa em sua vida. O jornal parece ser um pedaço de seu corpo, e sinceramente, sem ela esse jornal não seria tão bem escrito e administrado.
Ela pega anunciantes, escreve caderno B, coluna social... enfim, coisas que todos que fazem jornalismo não querem fazer, mas e a competência e peito para segurar um caderno como esse?
Não são apenas os 10 anos que a fazem querida por aqui. Seu gênio forte(fale mal do Corinthians pra você ver), seu respeito e sua garra para com esse jornal.
Fica aqui meus sinceros parabéns para Tathi Camargo. Não pretendo ficar 10 anos na mesma empresa, mesmo porque meus objetivos de vida são outros, mas o respeito adquirido por ela, isso sim, é de dar inveja...

Corte

Voando alto, como nunca antes.
Parece que foi ontem que minha vida estava um caos. Lembro das pessoas me falarem que depois dos 18 a vida passa rápido demais. Acho que elas tinham razão.
Faz um ano que me sinto como outra pessoa. Parece piada, ou algumas pessoas acharão ridículo, mas eu marquei esse dia 06 de Maio absurdamente em minha cabeça.
A pressão de arrumar um trabalho qualquer, mesmo eu não estando satisfeito com ele, me fez cortar meu cabelo para uma entrevista em uma maldita loja de sapatos.
Como o mundo gira.
Tive que sair de São Paulo para conseguir ter algo na minha profissão. Não que não fosse conseguir em SP, mas lá tudo é pra ontem, e ninguém quer saber de felicidade, as pessoas querem saber de dinheiro, dinheiro, dinheiro.
Por que essa merda comanda tanto o mundo?
Tudo é dinheiro, e cortar o cabelo para as outras pessoas era como se eu fosse arrumar um emprego logo. E deu certo, arrumei no Mato Grosso dois meses depois. GRANDE ADIANTO CORTAR ESSA PORRA!!!
Cortar foi uma espécie de começo do fim. Até hoje me olho no espelho e não me reconheço. Mas assim que tiver o aval do meu editor, os cabelos voltarão a ficar longos.
E não, desta vez não terá ninguém pra vir falar merda por causa de trabalho, que não pode,que isso aquilo.
Cortei para uma entrevista e estava sendo pressionado para cortar pra ganhar R$50,00.
Vão todos se foder e enfiem seus devidos dinheiros na bunda!
Felicidade não tem preço!

Libertadores

Perder libertadores é coisa de ser humano
Perder TODAS as libertadores é ser corintiano

O Corinthians é igual ao Michael Jackson
Gasta milhões, anuncia show, cobra caro a entrada e morre em casa

E o gran finale

Corinthians na libertadores é igual Chaves.
Todo mundo sabe o que vai acontecer, mas todo mundo assiste pra dar risada

terça-feira, 4 de maio de 2010

Fato

O clima de um jornal diário é tenso.

Se não for tenso, algo está muito errado.

E pra mim parece não estar muito tenso.

To preocupado...

segunda-feira, 3 de maio de 2010

Corrido demais

Ao contrário do meu bilau as novidades em Marília não param de crescer.
Sexta-feira conheci um lugar bem bacana, com ótimas cias. Café do Lado. Uma cafeteria (apesar de não tomar café) muito gostosa. Ambiente bem bacana, onde a decoração é feita por vinis e guitarras. A foto do banheiro é o máximo, é o Zappa na privada. Zappa rules!!!

Sábado foi dia de trabalhar muito. Fiz seis matérias, comecei às 9h e fui até às 21h. Mas foi bem bacana.
O melhor foi a noite. Mais cias agradáveis para conhecer o restaurante “cupim”. Ótimas cervejas e um bando de ladrão. O pessoal que saiu mais cedo pagou sua aprte e foi embora. Na hora da conta não marcaram o que haviam pago. Resultado, tive que pagar tudo. Uma pena, um lugar tão gostoso, porém nunca mais piso naquele lugar.

No Domingo conheci o bosque um pouco mais. Antes só havia ido ao centro de infos, para participar de reuniões, sempre no objetivo jornalístico. A Daisy me chamou para ir caminhar antes de irmos ao teatro. Lugar gostoso, ambiente bom e, claro, novamente ótima cia.

Hoje o bixo pega aqui no jornal. Já fiz a matéria onde novamente visitei a Fundação Casa, antiga Febem. O legal é que os jovens realmente se recuperam lá. E eles falaram muito bem, bem claro, nada daquela forma de falar estilo “mano”.

Enfim, estão me devendo umas fotos de uma apresentação que fiz em praça pública aqui na cidade. Assim que pegar as fotos contarei como foi!

sábado, 1 de maio de 2010

Ideias

Têm muita coisa passando pela minha mente.
E tenho dois caminhos para seguir aqui em Marília.
Mas quais?

Lado profissional praticamente perfeito.
Ainda preciso de um lugar bacana pra morar. Sempre roubam minha comida aqui na moradia.
Enfim...

1 ou 2?
Olhos ou óculos?
Teatro ou profissão?
Arroz ou feijão?

Que baita confusão!!!

Contador Grátis