terça-feira, 15 de fevereiro de 2011

O difícil Adeus

Ontem foi um dia triste…Mas quero voltar um pouco no tempo.

O ano era 1993. Lembro-me direitinho desse dia. Meus pais ainda moravam juntos, e de quarta-feira, eu e meu pai viamos futebol na televisão. Sempre viamos, principalmente porque era o único dia que eu poderia dormir mais tarde. Eu tinha uma desculpa para isso.

O jogo era Cruzeiro e Bahia. E um moleque deu um show de bola. Foram apenas cinco gols em um único jogo,igualando a marca de muios artilheiros no Brasil. Desde esse dia, todo o mundo ficou sabendo quem era Ronaldinho. Um moleque de 17 anos, que detonava dentro do campo. Dava ao brasileiro o que o brasileiro sempre gostou no futebol. Show de bola!

Depois disso, apenas glórias. Como referência, foi para a copa de 94 nos Estados Unidos, mas nem entrou em campo. Muito sábio o técnico Carlos Alberto Parreira na ocasião. “Levei o garoto porque sabia que ele faria a diferença, mas não naquela copa. Então deixei ele sentir o clima de uma copa do mundo, e o resultado foi esse ai”, disse o tecnico após a copa do Japão e Coreia do Sul em 2002.

Após uma passagem pelo PSV daHolanda, Ronaldo foi para o Barcelona da Espanha. E na minha escola, todos só falavam em Ronaldinho.Lembro que meu pai- que já morava em Foz do Iguaçu- trouxera uma camiseta do Barça pra mim, o núemro 9 nas costas, claro. Ronaldinho era o jogador para nós, moleques.

O cara foi eleito o melhor do mundo. Fazia jogadas mágicas, na linha de Maradonna, Garrincha e tantos outros que também fizeram história no futebol. Não havia quem o parasse. O cara estava jogando muito. Tanto é que foi eleito duas vezes o melhor jogador do mundo.


Veio a Copa de 98 e foi uma grande decepção. Uma convulção, até agora péssmamente explicada, e a final o cara não jogou nada. Perdemos para a França e o Penta fora adiado por quatro anos.

Nesse meio tempo, contusões e uma memorável. Quem não se lembra, e ficou chocado, em seu primeiro minuto de jogo, já na Inter de Milão, quando na tentativa de um drible, o cara tem seu joelho esfolado. Sozinho mesmo. O choro dele foi comovente.

Após isso, ninguém mais acreditava em sua recuperação. Mas veio o triunfo e, na liga dos campeões, foi artilheiro, mesmo não sendo campeão, e a copa de 2002, memorável, o artilheiro e um dos responsaveis pela conquista de nosso penta.

Novamente foi eleito o melhor do mundo. Pela terceira vez, Ronaldo(já não era mais Ronaldinho) chegava onde nenhum outro brasileiro havia chego. O topo para um jogador, que fazia os olhos dos torcedores brilharem quando encostava na bola.

Depois da copa de 2002, Ronaldo relaxou. Engordou, seu futebol não rendeu mais e a Copa de 2006 vei o fracasso. Visivelmente redondo, Ronaldo corria pouco em campo. Já não era mais o mesmo e, infelizmente, não seria nunca mais.

Queria encerrar a carreira no Flamengo(time do coração,que nunca negou isso), mas o time da Gávea nem proposta fez. Veio o Corinthians e aproveitou que o time acabara de voltar da segunda divisão(risos eternos) para formar uma dupla forte de marketing.

Ronaldo ocilava. Alguns jogos arrebentava. Outros nem parecia estar em campo. O Estopim foi a eliminação na Pré Libertadores contra o Tolima esse ano. Mas não vamos nos enganar. Para um cara que aguentou uma pressão de final de copa do mundo por duas vezes, uma Libertadores é fichinha.

EXTRA CAMPO

Não quero falar da vida pessoal dele. Isso só diz respeito a ele e ponto final.

Fora de campo, Ronaldo conseguia fazer outra revolução. Preparou dois jogos beneficentes. Convocado para ser embaixador da Onu, jogou duas vezes no Haiti.
Uma por conta da guerra civil que o país passava, e a segunda em favor as vitimas do terremoto que matou mais de 200 mil pessoas.

Memorável a cena de Ronaldo em um tanque de guerra, sendo ovacionado pela população local.

Além disso, sem a imprensa saber, doava todos os anos R$30 mil para alguma escola de comunidades cariocas. Não, ele não fazia caridade apenas para aparecer, o cara fazia de coração mesmo.

Ronaldo fez inumeros jogadores cair no chão de maduro, mas fora dele, soube dar a mão quando alguém precisava.

O FINAL

Ronaldo merecia um final melhor. Se fosse se aposentar logo após o título da Copa do Brasil, seria mais que um herói. Mas Ronaldo já virou a maior lenda que eu pude ver jogar.

Eu, com meus 25 anos, não vi um jogador melhor que ele. Mesmo porque , Maradonna, Zico, vi no final de carreira. Posso comparar com o Romário, mas Ronaldo fez muito mais. Não criou inimizades.

Ele sai de campo para entrar para a história.

Valew cara… Obrigado por tudo que fez em campo.

Ps. A Seleção Brasileira bem que poderia marcar um jogo de despedia para Ronaldo, Cafú e Roberto Carlos né? Tá na hora da CBF voltar a fazer esse tipo de jogo comemorativo.

Clubes: Social Ramos Clube-RJ (1990 a 1991); São Cristóvão-RJ (1991 a 1993); Cruzeiro (1993); PSV Eindhoven, da Holanda (1994 a 1996); Barcelona, da Espanha (1996/97); Internazionale, da Itália (1997 a 2002); Real Madrid, da Espanha (2002 a 2007), Milan, da Itália (2007 a 2008) e Corinthians (2009-2011)

Títulos: Campeão mundial (1994 e 2002) e da Copa América (1997 e 1999) pela Seleção Brasileira; mineiro (1994) pelo Cruzeiro; da Copa da Holanda (1996) pelo PSV Eindhoven; da Copa do Rei (1997) e da Recopa (1997) pelo Barcelona; da Copa da Uefa (1998) pela Internazionale; da Copa Intercontinental (2002), espanhol (2003) e da Supercopa da Espanha (2003) pelo Real Madrid; Campeão Paulista (2009) e da Copa do Brasil (2009) pelo Corinthians


6 comentários:

Stella disse...

Gostei do texto! E olha que é dificil falar do Ronaldo, sem falar da sua vida pessoal...

Girassol disse...

Texto belissimo. Meus olhos marejaram...
Ronaldo é sinônimo de superação p mim. Oras idolatrado pela mídia, oras perseguido. #relacaodubia
Amado e odiado pela torcida. Assim somos nós...não? Totalmente humano, tendo sua vida envolvida em escandalos...os quais nada mais são q a própria vida. somos assim...
Como jogador foi realmente um fenômeno. Confesso q me irritava os passes dele p o gol do corinthians. Mas ficava com inveja de não te-lo em nosso sp.
É um cara q fara falta no futebol...Independentemente da pagação de pau da mídia...Ele merece todas as homenagens. Principalmente, por ser humano, antes de jogador. É dificil celebridades aceitar sua condição humana: fraca, egoista e doida.
Te adoro, menino!
Amei o texto.
Beijocas da dani q tá ficando gostosa. rss

Rose Dayanne disse...

Sem comentários! Escrevi no meu blog sobre. Mas vc conhece a minha revolta: Dele ter ido pro Corinthians (logo o timeco) e de meu time não ter feito nada em relação a isso!

Azul

Anônimo disse...

Pois é Pedro...lembro vagamente do jogo do Ronaldo no Cruzeiro..mas lembro de outras vezes que juntos, o vimos jogar. Falar em superação é pouco. Um cara que ja tinha todas as glórias, dinheiro para esbanjar e mesmo assim sempre teve motivação e fibra para dar a volta por cima todas as vezes que o destino lhe colocava para escanteio. Assisti varios jogadores memoraveis jogarem...vi Pelé no auge de sua forma... Rivelino...Zico, Socrates, Careca, Romário, Dinamite e tantos outros...mas nenhum foi como Ronaldo. Não foi a toa as tr~es ekeições como melhor jogador do mundo. E para torna-lo mais que imortal, quis o destino que ele vestisse o manto corinthiano ao final da carreira. Foi um presente dos deuses do futebol que decidiram tornar sua carreira ainda mais completa em termos de significados.

Acaba o jogador...começa a lenda!

Anônimo disse...

A lenda do jogador consagrado que volta a terra natal e vai jogar num time em recuperação, um time da massa...um time amado por sua torcida e odiado pelos adversários por tudo que ele significa.

E que faz o seu primeiro gol, de cabeça, como se predestinado fosse, nos minutos finais de um jogo que até então perdia, contra um dos grandes rivais. Sua reação e comemoração foi a de um garoto que como num sonho entra em campo e vira herói com um gol marcado no final do jogo.Se não fosse verdade, teria que ser criado um roteiro como esse.

Talvez Nelson Rodrigues assinasse um roteiro desse...misturando a perplexidade de uns com a extrema felicidade de outros. A partir dali a torcida corinthiana foi engrossada por aqueles que, amantes do futebol, amavam também seu grande ídolo. E o resto todos sabem...vitórias retumbantes contra o S.Paulo e um gol antológico marcado na V.Belmiro na primeira partida das finais do campeonato paulista.

Aí sua carreira tornou-se completa..campeão do mais competitivo torneio estadual do país do futebol.

Foi ou não foi outro presente dos deuses do futebol ??

E o melhor de tudo foi poder acompanhar isso tudo...desta vez, acompanhamos a história sendo feita diante de nossos olhos!

Para nós, tombem foi um presente dos deuses do futebol. Ou vc duvida?

Anônimo disse...

Ronaldo, sinonimo de superação, apenas um SER HUMANO, diferenciado!
Parabéns, pelo texto!


Contador Grátis