segunda-feira, 29 de agosto de 2011

Como seria?

Sempre fui um tanto sonhador. Nunca consegui separar o que é real e o que é fantasia em minna vida. Lembro-me de quando tiinha uns seis anos, imaginei-me em um foguete, e acabei quebrando um braço e uma costela por conta de um acidente com pólvora.

Nocolégio, sonhava acordado e perdia o tempo das provas,de copiar as atividades  no quadro... Foram duas repetências. E ainda sim, foram falar que tudo estava normal. Acho que era medo de eu viciar nos remédios,hehehe

Agora os sonhos eram diferentes. Sonhava em um determinado momento da vida. Aquela exata hora. Ela,saindo do avião...eles se olham. Tanto tempo se ouvindo apenas. em alguns momentos,apenas uma tela e palavras das pontas dos dedos. A mesma tecnologia que nos uniu, mostrando um pouco que a ajuda pode não ser tanta assim.

E aqueles momentos

O sorriso. Esse mesmo, de tantas risadas juntos, de tantas lágrimas divididas. Agora ali em sua frente novamente. Que tanta vontade de pular em seu pescoço. Ou será que apenas esticaria seu braço para aperta-lhe a mão? Não saberia como agir em tudo. Como falar? Como comer, beber,sentar-se ou até falar como ela estava linda... Dificil mais ainda é conseguir guardar tudo o que queria falar.

Esses momentos

Nunca sairam de minha cabeça. Mesmo eles não acontecendo. Mas a história,que fica, que caminha junto, permanece,no sonho e coraão dos apaixonados pela vida...

2 comentários:

Rose Dayanne disse...

Será que elas falariam muito ou pouco, pelo tanto falar cotidiano... será que correriam para o micro após a primeira discussão infantil, e assim teriam a certeza de que se entendem melhor longe. Ou será o contrário... Será que teriam a certeza de que nunca estiveram longe e que jamais iram ficar um dia

Azul

Anônimo disse...

Pule no pescoço dela, dê um abraço, coma, beba, sente-se e fale sem guardar nada.
Foram esses os momentos que a marcaram.
E, provavelmente, é marcada que ela segue.


Contador Grátis