quarta-feira, 21 de setembro de 2011

Viajar...

É sempre bom pegar a estrada. Fico muito animado, pensando em como pode ser. Mas não gosto de viagens muito programadas. O imprevisto é  o melhor...

Ontem peguei o guia de turismo que fiz pelo estado de SP. A viagem foi fantástica,a cia não,mas a história é outra.

Fazenda do buracão,andar a cavalo,conhecer mirantes absurdos, asa delta, jetsky, rafting, rapel, mergulho com golfinhos, ilhas desertas, cidades abandonadas, estações de trem abandonadas, cristos, arco de entrada, boas vindas, caminhar por floresta, mata, cavernas, dois dias em uma, nenhum e outra, comer coisas que nunca imaginou, conhecer gente, beber coisas estranhas, rock n roll, pessoas inteligentes, outras nem tanto(micaretas), papos inesqueciveis com pessoas que nem lembro o nome, pessoas que smepre guardarei a imagem e a voz,mas nunca o contato, pessoas que até hoje mantenho contato. Nossa,tanta coiasa se passar...

Frio,calor, se perder em uma cidade estranha(qual é o nome do lugar que estou hospedado mesmo?), dor nos rins, conhecer o hospital mais próximo,saber que esse mesmo hospital está mais de 5km em estrada de terra, estrada,paisagens (onde era aquela vista linda mesmo?!), picos onde quaseninguém foi...

Rodar o Brasil é uma experiência fantástica. Tive exemplos próximos, como o Denis que mochilou pelo Nordeste(além do Chile) ,o Fabrício que mochilou pelo norte (e voltou agora do Peru), e o Matheus, que ainda tá rodando o Brasil,faz mais de um ano. É,sabe aquela inveja boa?

A estrada nos faz uma imagem de pessoas fortes,sem sentimentos ou emocionalmente mais firm. Ledo engano. Nós sentimos saudades também. Das pessoas, de uma época, de uma situação ou papo. Sim,nós choramos. A diferença é que fazemos isso nas escondidas. Queremos,em certas situações, manter ainda a imagem de pessoas fortes. Mas relaxe,é apenas imagem.

"Nessa estrada,um pé nas nuvens, outro pé noutro lugar" - Uma velha canção Rock n Roll - Flávio Venturini

É mais ou menos assim quem está de passagem. Um pé na estrada,e outro distante do lugar que está. Mal chegar e já é hora de partir...normal para quem está na estrada. E agora...bom, a estrada não me chama,mas a vontade berra comigo.

Mas agora quero fazer diferente. Planejar ao menos a ida e a volta. Conseguir mais flexibilidade e também lidar melhor com imprevistos. A estrada clama pela minha presença...E eu,pela dela

2 comentários:

Azul disse...

Ei, lembre-se: não desligue o celular na estrada e volte logo para casa... Alguém te espera!

BLOG CIDADANIA E DEMOCRACIA disse...

parabéns! sou seguidor do seu blog. Peço que tb acesse meu blog, deixe sugestões e seja um seguidor http://blogcidadaniaedemocracia.blogspot.com/


Contador Grátis