sábado, 5 de novembro de 2011

Como sempre,a Rede Globo

Ontem,no quarto do Hotel de Foz do Iguaçu resolvi ver o Jornal Nacional antes de ir ao mercado. E como sempre,a comparaç~çao dos dados é sempre a partir de 2002, ano que Lula foi eleito.

Não lembro muito bem detalhes da matéria, mas foi algo de que está crescendo as lavouras de algodão. Falaram que não crescia desde 2002(claro que não fariam uma comparação de dez anos atrás, precisa ser de nove).

Em uma dessas comparações, mostrou que , desde 1998 o agricultor Zé da Roça* não aumentava sua propriedade para poder plantar mais. E da-lhe comentário " finalmente melhorou pra mim, agorea posso contratar.." e por ai vai.

O que o jornal não falou foi que esse m4esmo agricultor, visto de um outro ângulo, entrou em uma dívida no ano de 1998 que só pôde salvá-la há dois anos. Agora, conseguiu estrutura suficiente para comprar mais terra para plantar.

Com o gancho da lavoura, lá se for o repórter na fila de quem recebe o Bolsa Família. Chegou até um senhor que recebia a quantia de R$145 por mes, perguntou se ele trabalhava e, com a resposta negativa, o repórter ficou indusindo o entrevistado a falar que não trabalha porque não quer. Qualquer um que estava vendo o JN sabia disso. Estava na cara.

Voltando do mercado, estava passando a novela que, uma senhora rica, falava com seu empregado que onde ele morava era cheia de gente pobre, que fedia, e ...adivinhem "Pendurada no Bolsa Família".

Pois é, até na novela a Globo precisa colocar sua opinião para ter de volta o poder de seu candidato, um pássaro de bico grande. Sempre a Globo... Até quando,Globo?

*Nome fictício

Um comentário:

Giulliano Santos disse...

Muito tenso isso. Em outros termos é a pura lavagem cerebral.


Contador Grátis